Você está aqui: Página Inicial
Hospital de São Sebastião entre os 10 melhores do país na Excelência Clínica
 
O Hospital de São Sebastião ocupa a 9º posição no ranking de Excelência Clínica na avaliação feita pela Entidade Reguladora da Saúde (ERS). Os resultados publicados esta terça-feira, abrangem um total de 160 estabelecimentos hospitalares públicos e privados.
 
Os dados do Sistema Nacional de Avaliação em Saúde (SINAS) mostram que o Hospital de São Sebastião encontra-se no grupo dos hospitais sob escrutínio, com a nota mais alta, apresentando 4 áreas com nível máximo de excelência: Neurologia, Obstetrícia e Ortopedia (com duas: Artroplastia da Anca e do Joelho e Cirurgia da Fratura Proximal do Fémur).
 
 

Cirurgia inovadora de hérnia discal realizada no CHEDV

O Serviço de Ortopedia e Unidade da Coluna do CHEDV, realizou com sucesso quatro discectomias lombares totalmente endoscópicas, sendo o primeiro hospital público (SNS), em Portugal, a oferecer esta cirurgia inovadora aos seus utentes. 

Foram realizadas, pela Unidade da Coluna do CHEDV, quatro cirurgias de hérnia discal com abordagem totalmente endoscópica, distinguindo-se de outras técnicas em que o endoscópio é usado de forma auxiliar na cirurgia convencional aberta. A discectomia lombar totalmente endoscópica permite fazer a mesma operação que a técnica aberta, mas apenas com uma incisão mínima, sem destruição muscular e lesão mínima ao nível de ligamentos e ossos. 

O pós-operatório é habitualmente pouco doloroso e o procedimento pode ser feito com internamentos de um dia. Esta técnica oferece aos doentes uma agressão cirúrgica mínima, uma cicatriz quase imperceptível (inferior a 1 cm), óptimos resultados cosméticos e uma taxa de infecção próxima de 0%. 

Para o responsável da Unidade de Coluna do CHEDV, Dr. Artur Teixeira, “ desde a abertura do nosso Serviço de Ortopedia, que tem havido a preocupação de realizarmos o tratamento cirúrgico da hérnia discal de forma menos agressiva possível. Em 1999 começamos pela utilização do microscópio como forma de potenciar a visão e permitir uma pequena incisão. Em 2006 introduzimos as técnicas minimamente invasivas que permitiram uma grande evolução no sentido da menor agressão cirúrgica no que diz respeito à extensão da cicatriz (cerca de 2 cm). O tratamento da hérnia discal através desta técnica totalmente endoscópica continua esse percurso. Pretendemos alargá-la em número e tipo de indicações, sendo de referir que tratamos cerca de 150 doentes por ano que poderão beneficiar da técnica”.